Pode o treinamento com realidade virtual ser tão eficiente quanto o treinamento na sala de operação?

por Patrícia Ribeiro dos Santos

O crescente aumento da tecnologia aplicada a medicina e principalmente a cirurgia, assim como o advento da cirurgia robótica, trouxe a preocupação com o tipo de treinamento oferecido aos médicos. Esse tipo de tecnologia, apesar de trazer imensos benefícios, se ensinada com métodos antigos de aprendizagem põem em risco cirurgião e paciente. Simuladores cirúrgicos com realidade virtual, surgiram como uma alternativa realista para o treinamento desses profissionais sem comprometer a segurança do paciente e respeitando o tempo de aprendizado de cada aluno, mas será que esse tipo de treinamento é tão eficiente quanto a prática supervisionada, baseada no “Vejo um, faço um e ensino um”, criada por William Halsted no início do século XX e que ainda serve de base para os atuais programas de residência?


Analisando dados de performance registrados nos simuladores disponibilizados em nosso Centro de Treinamento em Porto Alegre, alunos da Faculdade de Medicina da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, publicaram um trabalho nos Arquivos Brasileiros de Cirurgia Digestiva em 2018. O trabalho tinha como objetivo avaliar a performance de residentes em Cirurgia Geral (R1 e R2), ao realizar uma colecistectomia vídeo assistida, para entender se o treinamento usando simuladores cirúrgicos com realidade virtual é suficiente para desenvolver as habilidades que normalmente são adquiridas durante o treinamento em campo cirúrgico. Como resultado foi possível observar que os R1s que fizeram o treinamento em nosso centro, usando os simuladores, tinham a mesma habilidade que os R2s que realizaram majoritariamente treinamento in vivo. Com esses resultados é possível ver a importância que esse tipo de treinamento tem, não só para garantir um aprendizado homogêneo entre os alunos, mas também para aumentar a segurança dos pacientes que serão atendidos por esses profissionais no futuro. 


Leia mais em: GASPERIN, Bruno Della Mea; ZANIRATI, Thamyres; CAVAZZOLA, Leandro Totti. CAN VIRTUAL REALITY BE AS GOOD AS OPERATING ROOM TRAINING? EXPERIENCE FROM A RESIDENCY PROGRAM IN GENERAL SURGERY. ABCD, arq. bras. cir. dig., São Paulo, v. 31, n. 4, e1397,    2018 .   Available from: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid= S0102-67202018000400300&lng=en&nrm=iso>. access on 22 July 2020.  Epub Dec 06, 2018.  https://doi.org/10.1590/0102-672020180001e1397.