A SÍNDROME DE BURNOUT NA ATIVIDADE DO CIRURGIÃO

por Prof. Dr. Miguel Nácul

É cada vez mais frequente a incidência de médicos afetados pela "síndrome de burnout”, popularmente denominada como "síndrome do esgotamento profissional". Identificada há mais de duas décadas, é um distúrbio psíquico ocasionado pela exaustão extrema relacionada à atividade profissional. Uma doença que afeta amplamente a vida do indivíduo através do acúmulo excessivo de estresse, tensão emocional e trabalho. É muito comum em profissionais que atuam sob pressão constante, como médicos e professores. O cirurgião, em função das peculiaridades da sua especialidade, tende a ser um dos profissionais mais afetados por essa síndrome, que também pode levar ao desgaste físico.

A prática da cirurgia requer uma determinação particular, já que os cirurgiões compartilham um código não escrito de regras, normas e expectativas para definir dedicação. Se não for controlada, essa dedicação pode facilmente se converter em excesso de trabalho, com efeito contraproducente e prejudicial à saúde, ou até mesmo comportamento autodestrutivo.

Em artigo publicado anteriormente neste blog sobre o quanto a incorporação de smartphones, na vida pessoal e profissional, determina efeitos deletérios que muitas vezes superam os extraordinários recursos que essa tecnologia pode oferecer. Praticamente onipresentes no dia a dia das pessoas, estes aparelhos tornaram-se mais uma importante ferramenta de ação profissional. Em contrapartida, também são fatores relevantes para o esgotamento profissional. A violação dos limites da vida profissional tem sido documentada na cirurgia por meio da observação de interrupções do fluxo cirúrgico. É fato que desvios na progressão natural de uma tarefa podem comprometer a segurança e a eficiência de um procedimento, por exemplo.

Utilizar a tecnologia para reduzir a carga sobre o cirurgião, e proteger o seu bem-estar pessoal e profissional, pode ser a chave para prevenir ou recuperar dos efeitos da “síndrome de “burnout”. Um exemplo que pode ser benéfico é a utilização de sistemas que permitem a codificação e triagem de mensagens baseadas na urgência clínica. Além disso, intervenções que transformam uma cultura prejudicial de excesso de trabalho em uma cultura favorável de bem-estar também são importantes. A instituição de um programa de mentoria, em que os cirurgiões desenvolvam hábitos que incentivem um estilo de vida equilibrado, pode ser altamente eficaz. Em nível departamental ou hospitalar, devem ser estabelecidas diretrizes comportamentais relacionadas ao trabalho. O benefício de treinamento adicional sobre práticas de comunicação adequadas para médicos em todos os níveis, incluindo residentes e estudantes, além da equipe de enfermagem, também não pode ser subestimado.

Cirurgiões são indivíduos dedicados que fazem sacrifícios substanciais na prática desafiadora e exigente da cirurgia. Pesquisas adicionais para entender a globalidade de um cirurgião, o ambiente de trabalho e o impacto das tecnologias de comunicação pessoal nos resultados clínicos esclareceriam quais intervenções baseadas em evidências são necessárias.


REFERÊNCIAS
1. Shanafelt TD, Balch CM, Bechamps G, Russell T, Dyrbye L, Satele D, Collicott P, Novotny PJ, Sloan J, Freischlag J. Burnout and medical errors among American surgeons. Ann Surg. 2010 Jun;251(6):995-1000.
2. Cohen TN, Jain M, Gewertz BL. Personal Communication Devices Among Surgeons-Exploring the Empowerment/Enslavement Paradox. JAMA Surg. 2020 Dec 23.