A importância do treinamento das equipes cirúrgicas em tempos de pandemia

por Prof. Dr. Miguel Nácul

No dia 13 de abril, o Colégio Brasileiro de Cirurgiões (CBC) realizou um webinar aberto para discutir o tema “OS CIRURGIÕES E A PANDEMIA DO COVID-19”. Naquela mesma semana a Sociedade Brasileira de Cirurgia Minimamente Invasiva e Robótica (SOBRACIL), colocou este mesmo tema em debate com seus associados e comunidade cirúrgica em geral. O tema ganhou muita relevância em função da incidência de cirurgiões de outros países que se contaminaram durante procedimentos cirúrgicos em pacientes com COVID-19 (já diagnosticados ou mesmo assintomáticos, não testados). Além disso, artigos científicos recentemente demonstram que pacientes COVID-19 positivos operados, de forma eletiva ou de urgência, tendem a ter complicações pós-operatórias mais frequentes e graves, com mortalidade de cerca de 20% (S. Lei, ET AL., Clinical characteristics and outcomes of patients under going surgeries during the incubation period of COVID-19 infection, E Clinical Medicine (2020) https://doi.org/10.1016/j.eclinm.2020.100331). Durante a sua explanação sobre o tema o Dr. Rodrigo Felippe Ramos, Membro Titular do CBC, reforçou a importância do treinamento nesta situação.

O CBC fez as seguintes recomendações:

1 - Estimular “briefings” e simulações antes de situações complexas. Após eventos complexos, realizar “debriefing”.

2 - Treinamento para o uso de equipamentos de proteção individual (EPIs) antes do atendimento (“check-in”).

3 - Adoção de protocolos institucionais e equipe (“check-list” são estimulados).

4 - Eleger líderes e possíveis substitutos.

5 - Adotar medidas individuais e coletivas profiláticas no combate do “burnout” por profissionais envolvidos no atendimento.

6 - Estimular cooperação, confiança e tolerância, especialmente com os mais jovens.

7 - Suporte a distância (telemedicina).

Nesta pandemia, atitudes proativas, ponderadas e perspicazes podem fazer toda a diferença em um ambiente profissional de incertezas. São nestas situações limites que o treinamento dos profissionais, muito hoje baseado na simulação, faz toda a diferença.